Translate to your language

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Dia 12. Turismo na Ilha do Sol - Copacabana / Bolívia


Terça-feira, 10 de setembro de 2013.
Copacabana/Bolívia (0 km) 

Um belo dia de passeio(trekking) e turismo na Ilha do Sol (Isla del Sol), Bolívia, pelo lago Titicaca, um dos mais altos do mundo... Este é o relato de mais um dia na Expedição América do Sul, uma viagem de moto que fiz acompanhado do primo Pedro passando por alguns países da América do Sul durante o mês de setembro de 2013. Uma viagem extraordinária em que foram vivenciadas muitas emoções ao longo do trajeto. Passamos calor e frio, tivemos alegrias e dificuldades, momentos de tranquilidade e apreensão. Continue lendo para acompanhar a viagem.


Trajeto do dia:
Passeio pela Ilha do Sol, nas imediações de Copacabana/BO.

Ilha do Sol em Copacabana / Bolívia.
Ilha do Sol em Copacabana / Bolívia.



Vamos, ponham-se de pé

O despertador, rotineiramente, toca às 6h. Meia hora depois já estava de pé preparando-me para o passeio à Isla del Sol.

Abasteci minha mochila com alguns utensílios e alimentos e, por volta das 7h30, descemos para tomar café. Estava muito frio. Os movimentos que exigiam mais esforço deviam ser realizados com cautela. Uma subida mais apressada, pelas escadas, já provocava tontura e falta de ar.


Compramos, no próprio hotel, o ingresso para visitar a Ilha do Sol e às 8h10 saímos para pegar o barco que nos levaria à Ilha do Sol.

O céu estava bastante nublado e, mesmo com algumas pequenas frestas de sol entre as nuvens, tive receio de que o tempo piorasse e nos limitasse o passeio. 

Sol querendo aparecer em Copacabana / Bolívia.
Sol querendo aparecer em Copacabana / Bolívia.

O horizonte para onde iríamos estava todo nublado.
O horizonte para onde iríamos estava todo nublado.

Vista saindo de Copacabana / Bolívia.
Vista saindo de Copacabana / Bolívia.
No barco que pegamos havia diversos assentos na parte de cima, porém, ninguém se arriscou a sentar por causa do frio e da iminência de chuva. Então, fomos coagidos a ficar na parte coberta do barco que, mesmo assim, estava com uma janela quebrada no local onde sentamos.

Animados no barco, em direção à Ilha do Sol.
Animados no barco, em direção à Ilha do Sol.

Nossa! O tempo não vai ajudar

No começo, pareceu ruim.

... E o tempo só piorando.
... E o tempo só piorando.
Depois... piorou. Mesmo esperançosos de que as condições climáticas melhorassem, à medida que avançávamos lagoa adentro, uma fina chuva, que começara como garoa, já caia sobre nós. O trajeto de barco, até o lado norte da ilha, levaria em torno de duas horas e durante metade dele choveu e fez muito frio. Até discutimos que se na ilha persistissem as mesmas condições, teríamos que abortar o passeio, pois, não aguentaríamos o frio que fazia. Como se não tivéssemos aprendido nada na estrada da morte, novamente, havíamos saído com pouca roupa de frio.

Começou a chover e fez frio.
Começou a chover e fez frio.
 
Vista do lado de fora do barco.
Vista do lado de fora do barco.

Deixando a chuva para trás.
Deixando a chuva para trás.

Uma pequena ilha solítária no Lago Titicaca.
Uma pequena ilha solítária no Lago Titicaca.

Uma bela cadeia de ilhas no Lago Titicaca.
Uma bela cadeia de ilhas no Lago Titicaca.
Finalmente, para nossa sorte, com o tempo já melhorando, aportamos na parte norte da ilha.


Chegada na Ilha do Sol.
Chegada na Ilha do Sol.

Ingresso de entrada para a Ilha do Sol.
Ingresso de entrada para a Ilha do Sol.

Barcos aportados na Ilha do Sol.
Barcos aportados na Ilha do Sol. Foto cedida pelo Pedro.

Primeiramente, um pouco de cultura

Mapa da ilha logo na entrada da Ilha do Sol.
Mapa da ilha logo na entrada da Ilha do Sol.
A primeira atividade realizada foi visitar o museu da ilha onde pudemos ver alguns objetos e utensílios da cultura local.

Museu da Ilha do Sol logo à frente.
Museu da Ilha do Sol logo à frente.



Ingresso de entrada no museu da Ilha do Sol - frente.
Ingresso de entrada no museu da Ilha do Sol - frente.

Ingresso de entrada no museu da Ilha do Sol - verso.
Ingresso de entrada no museu da Ilha do Sol - verso.

Ok! Vamos subir pessoal

Em seguida, fizemos um passeio, a pé, de umas duas horas e meia, seguindo pela margem da ilha. A paisagem é muito bela e estimulante.

Pequenas canoas aportadas no interior da Ilha do Sol.
Pequenas canoas aportadas no interior da Ilha do Sol.

Começamos a subir em direção ao mirante da Ilha do Sol.
Começamos a subir em direção ao mirante da Ilha do Sol.

Pedro e Gilberto em uma pose para foto.
Pedro e Gilberto em uma pose para foto.

Porto da Ilha do Sol visto do alto.
Porto da Ilha do Sol visto do alto.

Já está ficando alto.
Já está ficando alto.

Uma pequena plantação na Ilha do Sol.
Uma pequena plantação na Ilha do Sol.
Em alguns pontos da trilha estreita, andávamos à beira de penhascos.

Grandes penhascos na trilha da Ilha do Sol.
Grandes penhascos na trilha da Ilha do Sol.
Foto cedida pelo Pedro.

Uma bonita paisagem na Ilha do Sol.
Uma bonita paisagem na Ilha do Sol.

Mais uma pose para foto na Ilha do Sol.
Mais uma pose para foto na Ilha do Sol.

Pedro, Gilberto e o lago Titicaca ao fundo.
Pedro, Gilberto e o lago Titicaca ao fundo.

Chegando no mirante da Ilha do Sol.
Chegando no mirante da Ilha do Sol.

Trilha do mirante ao fundo, por onde subimos.
Trilha do mirante ao fundo, por onde subimos.

Mais um pouco de cultura

Uma grande área aberta no alto da Ilha do Sol.
Uma grande área aberta no alto da Ilha do Sol.

Pose para foto com o Lago Titicaca ao fundo.
Pose para foto com o Lago Titicaca ao fundo.

Uma pequena reunião para aprender sobre a cultura da Ilha do Sol.
Uma pequena reunião para aprender sobre a cultura da Ilha do Sol.

Ruínas na Ilha do Sol.
Ruínas na Ilha do Sol.

Meia volta, volver

O guia nos reuniu e disse que na visita à ilha pode-se fazer uma caminhada guiada, a partir do lado norte, até outro ponto no lado sul da ilha. Assim, aqueles que não desejassem fazer a caminhada poderiam retornar ao porto para realizarem, de barco, o percurso até o lado sul. De nossa parte, preferimos voltar ao barco. Segundo o guia local, a caminhada dura em torno de duas horas e meia a três e, ao longo do caminho, há um “posto de pedágio” que cobra 5$ bolivianos (US$0,72) dos caminhantes.

Descendo de volta para o porto na Ilha do Sol.
Descendo de volta para o porto na Ilha do Sol.

Bonita paisagem na Ilha do Sol.
Bonita paisagem na Ilha do Sol.

Pedro e Gilberto em uma bela foto na Ilha do Sol.
Pedro e Gilberto em uma bela foto na Ilha do Sol.

Eita lugar bonito essa Ilha do Sol.
Eita, lugar bonito essa Ilha do Sol!

Quase chegando no porto da Ilha do Sol.
Quase chegando no porto da Ilha do Sol.

E não acaba aqui

Por volta das 13h30, voltamos ao porto e zarpamos para o lado sul da ilha.

Grande embarcação no cais da Ilha do Sol.
Grande embarcação no cais da Ilha do Sol.

Preparando para voltar ao barco.
Preparando para voltar ao barco.
Ao chegarmos no lado sul e descermos do barco, até mesmo antes de pisarmos em terra firme, já nos foi cobrado o valor de $5 bolivianos (US$0,72) como taxa de entrada na naquele ponto da ilha. Aqueles que não têm intenção de pagar, não podem descer para visitar o local.

Água verdinha na Ilha do Sol.
Água verdinha na Ilha do Sol.

Embarcação antiga na Ilha do Sol.
Embarcação antiga na Ilha do Sol.

Barco antigo, a remo, na Ilha do Sol.
Barco antigo, a remo, na Ilha do Sol.
Foto cedida pelo Pedro.

Casas na beirada da montanha na Ilha do Sol.
Casas na beirada da montanha na Ilha do Sol.

Gilberto em pose para foto em cima do barco.
Gilberto em pose para foto em cima do barco.

Pedro em pose para foto em cima do barco.
Pedro em pose para foto em cima do barco.

Subindo escadarias na Ilha do Sol.
Subindo escadarias na Ilha do Sol.

Vista do alto após subir escadarias na Ilha do Sol.
Vista do alto após subir escadarias na Ilha do Sol.
Enquanto esperávamos no ponto sul da ilha, houve algum tempo para um passeio. Pagamos mais 5$ bolivianos (US$0,72) para tirarmos fotos ao lado de uma Lhama.

Pedro e Gilberto em pose para foto com lhama na Ilha do Sol.
Pedro e Gilberto em pose para foto com lhama na Ilha do Sol.
Foto cedida pelo Pedro.
Nesse ponto, algumas senhoras bolivianas, que tricotavam no local, nos disseram que não poderíamos “sacar” fotos e que, para cada foto registrada, teríamos que desembolsar mais $5 (US$0,72). Fiquei um pouco mais e, como as senhoras não paravam de falar a respeito do impedimento de tirar fotos, resolvi voltar... os “direitos de imagem” estavam muito caros. Em tempo, outro turista que nos acompanhava logo as advertiu, com firmeza e convicção: 

“Señora, si usted explora, no habrá más turistas.” 

Ou seja, “Senhora, se exploras, então, em breve, não haverá mais turistas” (tradução feita por um programa tradutor da internet).

Hora de descer as escadarias na Ilha do Sol e voltar para o barco.
Hora de descer as escadarias na Ilha do Sol e voltar para o barco.

Agora sim, todos a bordo

Enquanto esperávamos, às 15h30, os outros turistas que arriscaram a caminhada pela ilha chegaram e, então, partimos às 16h, de volta para a cidade de Copacabana.
 
Estreita passagem entre as pedras no caminho da Ilha do Sol.
Estreita passagem entre as pedras no caminho da Ilha do Sol.
Foto cedida pelo Pedro.

Aventureiro Gilberto retornando de barco após visita à Ilha do Sol.
Aventureiro Gilberto retornando de barco após visita à Ilha do Sol.

Ilha do Sol ficando para trás.
Ilha do Sol ficando para trás.
No caminho até Copacabana, aproveitei o tempo da viagem de barco para atualizar meu diário de viagem.

Aproveitando para atualizar o diário de viagem.
Aproveitando para atualizar o diário de viagem.
Ao chegarmos retornamos diretamente para o hotel para arrumarmos a bagagem para o dia seguinte.

No cais de Copacabana / Bolívia.
No cais de Copacabana / Bolívia.

Igreja da praça central de Copacabana / Bolívia.
Igreja da praça central de Copacabana / Bolívia.

No pátio da igreja matriz de Copacabana / Bolívia.
No pátio da igreja matriz de Copacabana / Bolívia.

Eles se deram mal

Jantamos pizza pelas 9h30. Antes disso, comprei algumas lembranças e encontramos alguns brasileiros: um grupo de pessoas que fazia uma rota parecida com a nossa, porém, de carro. Comentaram que foram coagidos a pagar propina várias vezes. Comentei que até aquele momento não havia acontecido nada comigo, mas que o Pedro precisou pagar para entrar em Copacabana. Como cheguei tarde, na noite anterior (22h), a guarda municipal já havia encerrado o expediente na entrada da cidade.

Voltamos para o hotel umas 22h30 e deixei algumas coisas arrumadas para o dia seguinte.

Transferindo para o computador as fotos registradas na Ilha do Sol.
Transferindo para o computador as fotos registradas na Ilha do Sol.
Hotel: $35,00 bolivianos (US$5,03)

Dicas de viagem

  • Geralmente, os hotéis/pousadas vendem ingressos para o passeio à Ilha do Sol. Pergunte a respeito no hotel onde ficar hospedado.
  • No passeio à Ilha do Sol leve algum trocado, pois, em alguns pontos, há cobrança de “pedágios” para permitir a passagem (geralmente, $5,00 bolivianos). Por exemplo, se não pagar a tarifa para acessar o lado sul da ilha, você será obrigado a permanecer no barco.



SOBRE O AUTOR

0 comentários:

Postar um comentário


ATENÇÃO! Comentários são sempre bem vindos por incentivarem o debate, a troca de informações e enriquecerem bastante o conteúdo do artigo. Contudo, justificadamente, foram estabelecidas normas na Política do Site que estipulam algumas restrições. Em resumo, poderão ser removidos:
  • se não tiverem relação com os assuntos abordados no artigo;
  • caso contenham links para divulgação não autorizada de blog ou site (comente com seu Nome/URL ou OpenID, nesse caso);
  • se possuírem propagandas de qualquer natureza - spam;
  • caso apresentem palavras grosseiras ou ofensas a quaisquer pessoas ou marcas;

Categorias